Tribuna | 03 de dezembro de 2014 | Foto: Brunno Covello/SMCS

Não é porque a passageira é de mais de idade que ela não é chegada numa confusão. O relato que o leitor Mauro Pereira ouviu é a prova de que não se pode mexer com elas:

“Uma senhora entrou no ônibus e encontrou uma amiga, que fazia algum tempo que não via.

Começaram conversar:

– Nossa como você está bem.

– Tenho me cuidado, mas já estou com 68 anos.

– Não parece.

– Obrigada, fico feliz! Acho que não parece mesmo, dia desses eu estava na fila de idosos no banco e uma mulher começou a me olhar e cochichar com a outra do lado. Senti que estava falando de mim. Cheguei mais perto para escutar a conversa.

A mulher estava falando pra outra que eu não tinha ‘desconfiômetro’ e que não devia estar na fila de idosos pela idade que eu devia ter. Fui tirar satisfações, perguntando se ela duvidava que eu tinha idade para estar na fila de idosos.

Ela disse que duvidava e que era para eu provar, num tom debochado. Tirei minha identidade e esfreguei na cara dela. Ela me pediu desculpas e disse que existem coisas que parece, mas não é. Falei pra ela: ‘é verdade, você parece ser gente fina e é uma bosta’.”

 

Os “bonitão” da praça
Da janela do busão podemos observar a cidade e também a ‘paisagem’. E dependendo do interesse de cada um (ou de cada uma) a atenção pode ir pra algum prédio, alguma rua, o movimento de carros e, por que não, pros pedestres. A colaboração da leitora Michelle mostra bem como isso acontece em mais uma história envolvendo as senhorinhas que andam por aí:

“Na semana passada, dentro do Colombo-CIC, sentido Colombo, ouvi uma conversa de duas senhorinhas. Estávamos na frente da Praça Tiradentes quando uma olhou pela janela e viu um grupo de haitianos conversando. Uma das senhorinhas não perdeu tempo e já falou:

‘Nossa!! Mas tem uns haitianos bonitos né?! Como também tem uns nem tanto…’.

Eu só ouvindo e dando uma espiada pra ver também os ‘bonitão da praça’. Nisso a outra fala: ‘Verdade! Esses dias passei por uns que estavam falando a língua estranha deles, acho que é francês…’

Depois dessa resolvi colocar meu fone de ouvido pra evitar rir muito alto…”

 

Busão sem abuso!
A prefeitura de Curitiba – junto com os sindicatos dos motoristas e empresas do sistema de transporte coletivo e a Guarda Municipal – lançou uma campanha para combater o abuso sexual dentro dos ônibus. Aproveito para reforçar a importância de denunciar a situação que acontece com as passageiras mulheres. Se isso acontecer, ligue para a Guarda Municipal: 153 ou para a Polícia Militar: 190.

 

http://www.parana-online.com.br/colunistas/papo-de-busao/106719/IDOSA+BARRAQUEIRA